24 de junho de 2008

>> subterranean homesick alien

no domingo, em casa dos meus pais, descobri um pequeno bloco de notas que remonta ao ano de 2004.

lembro-me perfeitamente do momento em que o comprei. estava na holanda, em erasmus, a poucos dias de voltar para portugal. numa das minhas últimas idas ao supermercado, vi aquele bloco azul, pequenino.

durante quatro meses, partilhei uma residência com outros 74 alunos erasmus. espanhóis, italianos, franceses, ingleses, chineses, alemães, belgas, brasileiros, finlandeses, irlandeses, sul-africanos, húngaros, austríacos, japoneses... you name it.

ali, o conceito de aldeia global tomava proporções nunca estudadas. ali, as fronteiras resumiam-se às escadas que separavam os três andares. ali, as divergências ficavam-se pela loiça na cozinha e o estacionamento das bicicletas.

na minha festa de despedida, deixei o pequeno bloco azul em cima de uma mesa à entrada, e escrevi na capa: i'm going home tomorrow and i don't want to sleep during the flight. please write something here, so i can read it on the air.

ontem, peguei no bloco e reli-o de uma ponta à outra. o que me fez rir durante o vôo há quatro anos atrás, ontem provocou aquele nó na garganta. aquele engolir em seco. aquele acto de morder os lábios. aquele pestanejar mais prolongado.

no fim, um suspiro. e um sorriso. o de sempre.

10 comentários:

Ruca! disse...

pá sei bem o q isso é.

tb estive 'abroad' em erasmus e ainda hj resisto em abrir o baú das recordações - fotos, cartas, bilhetes - memórias que sei que me vão apertar o peito.

tb tenho um cadernito desses e desde que vim de lá nunca mais o abri. e dps de ler isto ainda menos vontade me dá.

porra.

abraço

Darcy disse...

Eu adoro relembrar os momentos bons, adoro mesmo. Adoro esse nó na garganta, o moder os lábios, o pestajenar mais prolongado. É BOM!

Annie disse...

fiz noutro dia o mesmo exercício com um cadernito azul dos tempos do colégio. as coisas que dizem [ou foram ditas] a nosso respeito têm uma força esmagadora. muitas vezes fazem-nos pensar e ajudam-nos a seguir em frente de ânimo muito mais leve e de sorriso nos lábios...
sabe sempre bem recordar! :)

beijinho

hothotheart disse...

e recordar é (re)viver =P

juliette disse...

Eu tenho uma folha A4 que me faz precisamente isso. E tem um ano. E é apenas uma folha A4 (não um bloco), e as pessoas que a escreveram não estão noutro país, nem eu estou noutro país.
Isto para dizer que esse bloco azul seria mais do que suficiente para me deixar um dia de cama.

Lúcia Ribeiro disse...

Chamar-lhe-ia nostalgia...

misskitsch disse...

também encontrei um caderno de apontamentos. só que do 9º ano.

tá-se bem a ver o que deu para rir!

ah, e a minha letra, tornou-se pavorosa com o tempo.

**

cacau disse...

ah, saudade...

paperdoll disse...

eu chorava baba e ranho, como uma madalena arrependida. tenho sempre saudades de tudo e todos. és valente, pá.

O melhor post de chocolate do mundo! disse...

Percebo-te tão bem!

Também fiz Erasmus e conheço perfeitamente esse nó na garganta, o engolir em seco, mais o acto de morder os lábios e o pestanejar mais prolongado. Acontece-me mil vezes. Basta ouvir uma música de lá, ver uma fotografia da altura ou ouvir alguém falar castelhano e bate a saudade. Às vezes até me cheira a Madrid. Sei que não vai passar, há-de haver sempre dias em que esse bocadinho-de-vida vai pesar mais no coração. Sempre com suspiro e sorriso no fim.